30 de dezembro de 2011

Oração aos artistas

Minha amiga e artista Pollyana Santos nos deu de presente uma linda oração à criação.
Compartilho com vocês e que em 2012 sejamos abençoados e inspirados em nosso ofício.
Um 2012 vivido com plenitude para todos.
Salve Jorge!
Michelle Ferreira


Que nosso Deus, de toda criação,



mais uma vez, e de novo, e sempre,



venha acender as luzes da ribalta:



um novo ano, um novo tempo,



um novo começo.



Que nosso Deus, de toda criação,



venha nos preparar o chão da história que vamos contar:



um novo enredo, novos passos,



novos destinos.



Chão coberto por flores, e folhas, e sementes.



Cenário pra fazer lembrar



da delicadeza ao passar...



Carpintaria pra não esquecer



do quão efêmero é ser...



Que nosso Deus, de toda criação,



mais uma vez, e de novo, e sempre



venha nos soprar na alma:



uma nova música, uma nova dança,



uma nova interpretação da vida.



Que nosso Deus, de toda a criação,



venha nos chamar de novo:



a recriar nossa história a cada dia,



a viver nossa história com poesia.



Viver, para contar.



Que Assim Seja!



Pollyana Costa Santos.

15 de dezembro de 2011

Destaque 2011: atores e atrizes


Destaques 2011: atores e atrizes

Cartas_de_Amor_Para_Stalin_(Divulgação)
Eles são verdadeiros encantadores de pessoas. Com sua técnica, composição, entrega e inteligência, os intérpretes são o que de mais essencial o teatro possui. Veja agora os Destaques 2011 do Caderno Teatral: atores e atrizes.
Por Lucianno Maza
São Paulo
Os destaques de 2011 – atores:
Ésio Magalhães por “Diário Baldio”Ator camaleônico do Barracão Teatro, de Campinas, Ésio Magalhães mostrava uma  interpretação comovente mesmo por trás de uma máscara. Representando um demente com uma composição física apurada, o ator alternava a docilidade e demência do filho de um ambiente tão duro.
Felipe Carvalhido e Pierre Baitelle por “Hedwig e o Centímetro Enfurecido”Como dividir entre dois atores uma personagem cuja maior força é justamente a ambiguidade que esta carrega? Fractais, Felipe Carvalhido e Pierre Baitelle assumiram características diferentes nessa proposta do diretor Evandro Mesquita, mas conseguiram apreender em suas interpretações o todo da transexual decadente.
Kiko Mascarenhas por “Os Altruístas”Em trabalho inesquecível, Kiko Mascarenhas evocava ao mesmo tempo uma grande sexualidade e candura de um homossexual sinceramente afetado e abertamente incômodo. Em performance estilizada, o ator foi o grande destaque da montagem brasileira do texto de Nicky Silver.
Marco Nanini por “Pterodátilos”Um dos maiores atores vivos de sua geração, Marco Nanini revisitava uma das melhores interpretações de seu repertório recente nessa nova montagem do texto que integrou o programa duplo “Os Solitários”, anos antes. Novamente o ator interpretou de maneira hilária uma adolescente alcoolatra.
Rodrigo Bolzan por “Oxigênio”Com energia rock’n’roll, pessoal e forte, Rodrigo Bolzan transitava confortavelmente pelas diferentes estruturas de cena – do discurso ao canto, passando pelos diálogos inflamados com Patrícia Kamis. Visto em atuações épicas com a Cia. do Latão, o ator impressionou dominando seu eclético set list.
Os destaques de 2011 – atrizes:
Bete Coelho por “Cartas de Amor Para Stálin”Se transfigurando intensamente em personagem que habita outro – o ditador soviético Josef Stálin que surge demoníaco da esposa de Mikhail Bulgakov -, Bete Coelho cresce nessa opção cênica do diretor Paulo Dourado de condensar os dois em um só. Com o trabalho, a atriz tem atuação brilhante e cheia da personalidade cênica que a tornou conhecida.
Denise Del Vecchio por “Circuito Ordinário”Uma das maiores atrizes do teatro brasileiro, Denise Del Vecchio encontrou em uma figura originalmente masculina do texto de Jean-Claude Carrière – um informante – , uma personagem a sua altura. Uma grande oportunidade para ver o desempenho da técnica e inteligência cênica da intérprete.
Denise Fraga e Julia Novaes por “Sem Pensar”Juntas num dos melhores textos internacionais montados em 2011 (de autoria da inglesa Annya Reiss), Denise Fraga mostrou sua faceta realista pouco explorada no teatro, interpretando uma mãe urbana em crise com a família. Já Julia Novaes, se destacou ao atingir com precisão o tom ora apaixonante e ora irritante de sua menina adolescente.
Julia Lemmertz por “O Deus da Carnificina”Outro texto estrangeiro de qualidade, a peça de Yasmina Reza ganhou no Brasil a interpretação bem feita de Julia Lemmertz. Vacilante em sua timidez e algo débil em seu nervosismo, a composição da atriz deu conta das cenas de dissimulação, embate, alcoolismo e até do inesperado vômito de sua personagem.
Juliana Galdino por “Pinokio”É impossível imaginar outra(s) voz(es) tão perfeita(s) para materializar o complexo sistema dramatúrgico e cênico proposto por Roberto Alvim no Club Noir. Nesse espetáculo,  Juliana Galdino mais uma vez consegue estabelecer o clima e tempo da montagem com sua técnica vocal virtuosa que é posta em cena de forma tão bem delineada.
Confira nessa quinta-feira  (15/12), os destaques do ano em dramaturgia e direção.
Foto (Bete Coelho em “Cartas de Amor Para Stalin”): Divulgação

11 de dezembro de 2011

Próximos projetos

Bom, DONA Margarida está de merecidas férias!
Aproveita o momento para fazer um balanço do ano letivo.
Enquanto isso, a atriz, Michelle que "fervilha" e não consegue desligar da tomada já prepara novas investidas margaridianas para 2012 e novo projeto, desta vez, com o diretor Fábio Furtado e as atrizes Lucilene França e Iasmim Marques:
Aguardem nova sopa desta panela!
Foto do espetáculo Hotel Açucenas -Primeiro trabalho da Flores de Jorge Cia Cênica
Créditos da foto: Guto Muniz

19 de novembro de 2011

Flores de Jorge indica!

Temporada de A Metamorfose! Grupo Girino. Hoje às 21h e amanhã às 20h. Entrada Franca. Centro Cultural UFMG. Sábado e domingo que vem mesmo horário, mesmo local a R$10,00 e R$5,00. Não percam!!!Espetáculo inspirado no livro homônimo de Paulo Leminski, MetaForMose é uma viagem pelo imaginário do hibridismo humano, a instabilidade da linguagem, dos corpos e das formas. A peça percorre técnicas do Teatro de Animação e as possibilidades cênicas do corpo [texto], bonecos [duplos] e vídeos [simulacros]

15 de novembro de 2011

Saldo do projeto Margaridiano

Por meio de projeto realizado com os recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte, de agosto a setembro foram realizadas doze apresentações do espetáculo Apareceu a Margarida: cinco apresentações pelos centros culturais (São Geraldo, Salgado Filho, Venda Nova, Urucuia Barreiro, Vila Fátima Aglomerado da Serra), temporada para professores e alunos da modalidade EJA - Educação de Jovens e Adultos da rede municipal de ensino e temporada para o público em geral realizada no Teatro João Ceschiatti, no Palácio das Artes.
Foram quase 1.200 pessoas presentes nas apresentações e um jogo constante atriz-plateia.
Seguem algumas impressões do público:



"Ótimo espetáculo. Dinâmico, envolvente e abre um leque de possibilidades de excursão em sala de aula". Márcia Ramos. Coordenadora Pedagógica da Regional Oeste. - Temporada Teatro da Biblioteca.

       "É um espetáculo importante sob o ponto de vista histórico e educacional. Traz à tona vários temas pertinentes a um momento triste do país, tendo como pano de fundo a sala de aula. A atriz deixou-me muito impressionada com a sua atuação". Bernadete, aluna da Educação de Jovens e Adultos da rede municipal de ensino - Temporada Teatro da Biblioteca.

  "Possuo grande fascínio pela obra dramática e gosto muito do seu trabalho desde Hotel Açucenas. Percebo um trabalho de direção refinado. O texto vem ao encontro de um momento educacional conflituoso, pois a leveza e humor nada puritano é um convite aos profissionais da educação por uma prática menos enfadonha e massificante. Salve Jorge! Que este espetáculo perdure por bastante tempo. Vida longa!". Rodrigo Estevão, ator, cantor e profissional da educação - Temporada Teatro da Biblioteca.

    "Muito bom, maravilhoso! A ditadura ainda persiste! Os signos foram muito bem utilizados, parabéns!". Michelle Sá, atriz. Centro Cultural Vila Fátima.

    "A mensagem da peça foi profunda. A realidade do magistério e dos mestres foi passada de forma realista e intensa. Parabéns à equipe e principalmente a Dona Margarida por essa experiência". Lourival, oficial de justiça. Temporada Teatro João Ceschiatti - Palácio das Artes.

   "Peça na medida certa! Dose exata de humor, tensão e drama! Parabéns, sucesso! Viva a classe dos professores!". André Moreira, jornalista. Temporada Teatro João Ceschiatti - Palácio das Artes.

  "Maneira crua e bem humorada de falar do ser humano e seus clichês. Muito, inteligente, eu sou a Dona Margarida! Parabéns!". Welinton Morais, professor. Temporada Teatro João Ceschiatti - Palácio das Artes.



                                  Créditos da foto: Leo Koroth
   

13 de novembro de 2011

Fechando ciclos

DONA Margarida cumpriu 19 apresentações neste ano.
O público foi variadíssimo: alunos, professores, artistas, pessoas das comunidades de Belo Horizonte.
Enfim, cumprimos dignamente o nosso calendário margaridiano.
2011 encerra a agenda margaridiana, mas 2012 ela promete voltar.
A Cia Flores de Jorge entrará também em nosso processo de montagem no próximo ano.
Obrigada a todos os alunos de DONA Margarida!
Salve Jorge!

                                                        Créditos da foto: Leo Koroth

12 de novembro de 2011

Encerramento do ano letivo

Hoje, última apresentação em 2011 de Apareceu a Margarida!
Centro Cultural Salgado Filho
Rua Nova Ponte, 22
18h-Entrada Franca!
                                            Créditos da foto: Leo Koroth

29 de outubro de 2011

Próximas apresentações



Encerrando o projeto para a Lei Municipal!

05.11- sábado, 18h - Centro Cultural São Geraldo Entrada Franca!

12.11- sábado, 18h - Centro Cultural Salgado Filho Entrada Franca!

Créditos das fotos: Daniel Protzner

Sobre o intensivão da semana

Nesta semana, fizemos quatro apresentações da peça Apareceu a Margarida no Teatro da Biblioteca.
O público: alunos e professores da Educação de Jovens e Adultos da rede municipal de ensino da capital.
Muita receptividade, muitas diferentes impressões, muita troca!


16 de outubro de 2011

Acompanhem a agenda margaridiana!

25 a 28 de outubro - Temporada fechada para professores e alunos da Educação de Jovens e Adultos da rede municipal de ensino de Belo Horizonte

05 de novembro - 18h Apresentação Centro Cultural São Geraldo - Entrada Franca!

12 de novembro - 18h Apresentação Centro Cultural Salgado Filho - Entrada Franca!

Foto: Leo Koroth

15 de outubro de 2011

Ao Mestre com carinho - Ao dia dos professores e a um ano de Apareceu a Margarida e 23 apresentações!


Hoje, completa exatamente um ano da estreia da peça Apareceu a Margarida. Desde então, já foram 23 apresentações, muitos professores na plateia.
Ao dia dedicado aos mestres, muitas margaridas a todos estes professores que lutam, que o lema da vida não é "penso, logo existo", mas "luto, logo sou professor". Hoje passei pela praça da Liberdade e os jardins estavam repletos de margaridas, sob uma chuva fina... deve ser um bom sinal não?

Obrigada a todos que participaram das nossas aulas!
Continuem participando!

Michelle Ferreira
Flores de Jorge Cia Cênica


 Lá vai o nosso Rubem Alves:


"O estudo da gramática não faz poetas. O estudo da harmonia não faz compositores. O estudo da psicologia não faz pessoas equilibradas. O estudo das "ciências da educação" não faz educadores. Educadores não podem ser produzidos. Educadores nascem. O que se pode fazer é ajudá-los a nascer. Para isso eu falo e escrevo: para que eles tenham coragem de nascer. Quero educar os educadores. E isso me dá grande prazer porque não existe coisa mais importante que educar. Pela educação o indivíduo se torna mais apto para viver: aprende a pensar e a resolver os problemas práticos da vida. Pela educação ele se torna mais sensível e mais rico interiormente, o que faz dele uma pessoa mais bonita, mais feliz e mais capaz de conviver com os outros. A maioria dos problemas da sociedade se resolveria se os indivíduos tivessem aprendido a pensar. Por não saber pensar tomamos as decisões políticas que não deveríamos tomar". Rubem Alves


Créditos da foto anexa: Leo Koroth

14 de outubro de 2011

Feliz dia dos professores!

Amanhã é o dia do professor! Desde já um abraço caloroso às DONAS Margaridas e Margaridos brasileiros. Parafraseando Adélia Prado, em uma citação do caríssimo Rubem Alves sobre o professor e a educação. Diz ela: "Não quero faca nem queijo; quero é fome". O comer não começa com o queijo. O comer começa na fome de comer queijo. Se não tenho fome é inútil ter queijo. Mas se tenho fome de queijo e não tenho queijo, eu dou um jeito de arranjar um queijo...
Talvez seja este o caminho do mestre, do professor para com os seus alunos... ajudar a ter a fome do queijo e o que o aluno possa buscá-lo!

9 de outubro de 2011

Dados da temporada Palácio das Artes

Hoje, às 19h no Teatro João Ceschiatti
Ingressos a R$10,00 e R$5,00

Créditos da foto: Leo Koroth

Último dia!


Seus alunos relapsos!
Estão fingindo de mortos para DONA Margarida?

DONA Margarida está cansada, saturada de ter de lembrá-los desta aula!
Informo-lhes que hoje é o último dia para tentar apreender algum conhecimento para o EXAME de ADMISSÃO!
Pensem bem...

Atenciosamente,

DONA Margarida


Último dia da temporada da peça Apareceu a Margarida no Palácio das Artes!
Teatro João Ceschiatti - 09.10- 19h
Ingressos a R$10,00 e R$5,00


                                                         Créditos da foto: Leo Koroth

8 de outubro de 2011

Curta temporada no Palácio das Artes!

Caros alunos,
Vocês ainda podem se redimir e comparecer às últimas aulas.
Caso permanecem rebeldes, eu lavo as minhas mãos!
Atenciosamente
DONA Margarida


Curta temporada
Teatro João Ceschiatti - Palácio das Artes
Ingressos a R$10,00 e R$5,00

Créditos da foto: Leo Koroth

7 de outubro de 2011

É HOJE!!!!!!!

Caríssimos, hoje começa mais uma nova temporada de aulas!
Acho bom vocês estarem presentes no horário marcado.
Senão compareceram, DONA Margarida também vai se "lixar" com vocês na prova de ADMISSÃO!
Prestem atenção!

Atenciosamente,

DONA Margarida


Curta temporada da peça Apareceu a Margarida
Palácio das Artes - Teatro João Ceschiatti
07, 08 e 09 de outubro
Sexta e sábado às 21h e domingo às 19h
Ingressos a R$10,00 e R$5,00

27 de setembro de 2011

Temporada Palácio das Artes

Se não quiserem retornar aos tempos da palmatória, aguardo a todos nas próximas aulas!
Atenciosamente,
DONA Margarida


Curtíssima temporada da peça Apareceu a Margarida
Palácio das Artes - Teatro João Ceschiatti
07, 08 e 09.10
Sexta e sábado às 21h e domingo às 19h
Ingressos a R$10,00 e R$5,00
Mais informações: floresdejorge@gmail.com

18 de setembro de 2011

Sobre a aula de ontem

DONA Margarida ficou muito feliz com a aula de ontem no Barreiro.
Turma cheia, alunos obedientes e atentos.
DONA Margarida fica muito feliz de ministrar as suas aulas sempre!
Vamos passar com louvor no exame de admissão?
Atenciosamente,

DONA Margarida


Acompanhe as próximas aulas!

02.10- Centro Cultural Vila Fátima 18h Entrada Franca!

Dias 07, 08 e 09.10- Temporada Palácio das Artes
Sala João Ceschiatti - Sexta e sábado às 21h e domingo às 19h
Ingressos a R$10,00 e R$5,00 meia
                                                          Créditos da foto: Daniel Proztner

E o MESTRE?

 Enquanto as políticas públicas voltadas para a educação, e, principalmente, a sociedade não reconhecerem e legitimarem a importância do papel do mestre, estaremos validando uma sociedade de desiguais, de cidadãos nem tão cidadãos, de pessoas medíocres, que valorizam o TER em função do SER. Infelizmente é tal o descaso para com os professores em nível nacional, que as universidades e faculdades não conseguem preencher todas as vagas destinadas ao curso de pedagogia! Para onde caminhamos??? Professor não existe apenas para preparar alunos para o Enem ou para o Pré-Vestibular! Acorda gente!!! Professor existe para formar pessoas!

2 de setembro de 2011

Próxima aula!

17.09, às 18h,no Centro Cultural Urucuia Barreiro, DONA Margarida os aguarda para uma aula exemplar e espetacular.
Ça va san dire!
Mais informações: floresdejorge@gmail.com
Créditos da foto: Daniel Protzner

1 de setembro de 2011

Enquanto isso os projetos da Cultura continuam esperando...

Meus caros, quando se fala em políticas públicas voltadas para a cultura, o que se percebe é que há sempre uma atitude de "deixar para depois".
Apesar de intensos diálogos com a sociedade civil ainda no período do Ministro Juca Ferreira, em especial, no que diz respeito à refomulação da Lei Federal de Incentivo à Cultura, que mobilizou várias consultas públicas no país, o PROCULTURA, o Vale Cultura, o Sistema Nacional de Cultura e a questão concernente ao aumento do percentual do recurso destinado ao setor nas esferas municipal, estadual e federal, o clima é de "aguardar um pouco mais".


Repassando...

Atritos entre a atual gestão do Ministério da Cultura e congressistas estão atrasando os principais projetos legislativos do setor. Até o unânime Vale Cultura, que no final do ano passado já tinha sido aprovado em todas as comissões de Senado e Câmara, está parado no Congresso, embora pronto para ir a votação.




Em junho, o novo texto da Lei Rouanet (Procultura), subiu no telhado. Crítica pública do MinC à relatora do projeto, deputada Alice Portugal (PC do B/BA), irritou os deputados que participaram da aprovação do texto em todas as comissões da casa. No dia 15 de junho, em entrevista, o secretário de Fomento do MinC, Henilton Menezes, apontou problemas no texto aprovado e afirmou que a ministra Ana de Hollanda sugeria modificações.



“Causa espanto ver um secretário de uma pasta ministerial de um governo que se apresenta como de continuidade simplesmente ignorar todo o trabalho feito em torno da construção de um projeto de modificação da lei brasileira de incentivo à cultura”, reagiu a deputada Alice Portugal, que citou a reportagem do Estado em carta indignada à ministra da Cultura. Alice Portugal é titular da Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados.



A ministra se viu obrigada a ligar para Alice, para dizer quer aquela era “a opinião de uma pessoa do MinC”, mas não era a sua. Ana de Hollanda prometeu abrir os debates neste semestre para apresentar sua visão do Procultura.



A deputada Jandira Feghali (PC do B/RJ), que preside a Frente Nacional de Cultura no Congresso, já fala em convocar uma audiência para debater a nova postura do MinC face ao Procultura. O PC do B considera que há uma tentativa do ministério de “suprimir os avanços” do texto, debatido anteriormente em 10 audiências públicas.

Incentivo Cultural – Quatro propostas em tramitação no Congresso são prioritárias para o governo


Jornal da Câmara, em 17/9/2010 (HÁ QUASE UM ANO ATRÁS, VEJAM BEM O PROCESSO DECISÓRIO NA CULTURA...).



O Congresso Nacional analisa pelo menos dez propostas que poderiam significar um avanço nas políticas públicas para o setor cultural. O Ministério da Cultura lista quatro delas como essenciais para construir novo marco regulatório do setor: o PL 6722/10, que cria o Programa Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura (Procultura); o PL 5798/09, que cria o Vale-Cultura; a PEC 416/06, que cria o Sistema Nacional de Cultura; e o PL 6835/06, que cria o Plano Nacional de Cultura.



Segundo o secretário-executivo do ministério, Alfredo Manavy, enquanto o Procultura vai democratizar a distribuições de recursos do Estado para os realizadores culturais, o vale-cultura vai democratizar o acesso aos produtos e serviços culturais, beneficiando dez milhões de trabalhadores com um vale semelhante ao vale-transporte e ao vale-refeição.



“É a primeira política cultural que foca no consumo da população e não apenas no estímulo à produção cultural”, explica. “Todas essas medidas vão garantir que a cultura seja tratada como necessidade básica da população e um direito social do brasileiro”, complementa.




28 de agosto de 2011

Próxima aula margaridiana!

Caros alunos!
A próxima aula de DONA Margarida será no dia 17.09 às 18h no Centro Cultural Urucuia.
DONA Margarida manda informar que as aulas estão sendo dedicadas aos professores da rede estadual de ensino de Minas Gerais que resistem bravamente à greve!
DONA Margarida está com vocês, professores guerreiros!
Ça va san dire!

21 de agosto de 2011

Impressões margaridianas da aula ontem em Venda Nova

DONA Margarida ficou muito contente com a aula de ontem no Centro Cultural Venda Nova.
Em um calor de derreter todos os neurônios, os alunos, inclusive alguns bem novinhos compareceram em peso à nossa aula.
Urucuia Barreiro, aguardem DONA Margarida!

7 de agosto de 2011

Agenda Apareceu a Margarida!

Acompanhem a agenda margaridiana!

20.08- Centro Cultural Venda Nova 18h


17.09- Centro Cultural Urucuia Barreiro 18h


02.10- Centro Cultural Vila Fátima 18h

Em novembro ou dezembro- Centro Cultural Salgado

Filho e Centro Cultural São Geraldo.

Entrada Franca nos Centros Culturais.



07, 08 e 09.10- sexta e sábado às 21h e domingo às 19h

Temporada público em geral Sala João Ceschiatti- Palácio das Artes


25 a 28/10- 20h30min- Temporada fechada para professores e alunos do EJA -Educação de Jovens e Adultosda Rede Municipal de Ensino-Biblioteca Pública Estadual Luis de Bessa


Créditos da foto: Daniel Protzner

26 de julho de 2011

Sobre a apresentação de São João Del Rei

Nossa, DONA Margarida ficou muitíssimo cansada com a aula de ontem, mas, extremamente feliz com o comportamento de seus alunos (uma sala completamente lotada, cerca de 300 alunos de diversas idades e carinhas).
DONA Margarida pensou até em passar uma deliciosa temporada em São João Del Rei!
Anotem a próxima aula!

20.08- 18h- Centro Cultural Venda Nova
Belo Horizonte - MG

Mais informações: floresdejorge@gmail.com

                                                      Créditos da foto: Daniel Protzner

21 de julho de 2011

Apareceu a Margarida em São João Del Rey!

                                                         Créditos da foto: Leo Koroth


Caríssimos, DONA Margarida estará no frio de São João Del Rey no próximo dia 25 de julho para mais uma aula espetacular!
Ela aguarda a todos vocês, melhor não decepcionarem DONA Margarida!


Apresentação dentro da programação do Festival de Inverno de São João Del Rey
Dia 25 de julho- 2a feira 19h
Teatro do Campus Santo Antônio
Mais informações: http://www.invernocultural.com.br/

14 de julho de 2011

Próximas apresentações

25.07.2011- Apresentação às 20h dentro da programação do Festival de Inverno de São João Del Rey

17.08.2011- Apresentação no Centro Cultural Venda Nova por meio de projeto aprovado junto à lei municipal de incentivo à cultura.

25 a 28.10.2011- Temporada para professores e alunos da Educação de Jovens e Adultos por meio de projeto aprovado junto à lei municipal de incentivo à cultura.


A confirmar!!
 
17.09- Apresentação no Centro Cultural Urucuia (Barreiro)- por meio de projeto aprovado junto à lei municipal de incentivo à cultura.


Novembro ou Dezembro - Apresentação no Centro Cultural Salgado Filho- por meio de projeto aprovado junto à lei municipal de incentivo à cultura.

12 de julho de 2011

Impressões margaridianas

Vejam que interessante a avaliação da aula de DONA Margarida pelo aluno Bruno!
É por isto que os artistas prosseguem na batalha diária do fazer teatral.
Salve Jorge!
Michelle Ferreira

Universidade Federal de Minas Gerais


Escola de Belas Artes - Teatro

Teorias do Texto Dramatúrgico e Espetacular

Professor Marcos Antônio Alexandre

Aluno Bruno David Adamy Guimarães

Junho/2011





ANÁLISE DO ESPETÁCULO

“APARECEU A MARGARIDA”





O Espetáculo “Apareceu a Margarida” de autoria Roberto Athayde, apresentado com adaptações pelo grupo “Flores de Jorge” sob a direção de Camilo Lélis, nos leva de volta às salas de aula. Mas não nos problematiza apenas a insuficiente educação brasileira desde muitos anos e sim, nos apresenta, de forma bem construída na personagem-título uma série de questionamentos da história dos governos do Brasil e da formação do nosso povo como consumidores ou, até mesmo, como mero espectadores e não cidadãos.

Apesar do texto ter sido escrito, à sua época, como uma alegoria da Ditadura Militar do Brasil, a remontagem feita pelo grupo “Flores de Jorge” não se torna um texto datado, muito pelo contrário, nos traz críticas a um Brasil contemporâneo sem deixar de lado as raízes históricas, políticas e sociais do nosso povo.

Neste aspecto, uma série de questionamentos é abordada. Mas esta abordagem não compõe a cena como adereço apenas e muito menos figura como uma questão meramente risível. De forma muito bem elaborada estas questões chegam ao público e permite, aos que quiserem e puderem, questionar a atual situação do país, fruto de uma série de outros acontecimentos anteriores à nossa época.

Temos diante de nós uma comédia, mas nem por isso vemos na apresentação a busca pelo riso fácil. De forma bem elaborada a apresentação não abusa das cenas de humor e por toda a peça temos cenas muitas bem dosadas, principalmente as mais erotizadas que não figuram apenas como apelação.

Mesmo vendo em alguns momentos da peça palavras de baixo calão e gestos obscenos, tais aspectos não nos chegam de forma gratuita, mas sim como mais um caractere na construção de um sentido maior e com uma finalidade também maior do que o provocar na plateia o riso ou a repulsa.

Ao entrarmos na sala de espetáculo temos o cenário à mostra onde podemos ver: Um quadro negro ao centro. Ao lado esquerdo temos uma cadeira e uma mesa para dona Margarida onde, nesta última, podemos ver “porcamente” desenhado um mapa do Brasil. No lado direito do palco, temos um lixo com uma bandeira do Brasil dentro. E por todo palco muito pó de giz.

Este cenário elaborado por Thiago Almeida não escapa à representação figurativa de uma sala de aula, mas traz jogo e agilidade ao desenrolar do espetáculo e às ações de dona Margarida. Alguns exemplos que podemos citar são, dentre outros: A transformação de uma régua sob a mesa em cruz, e esta cruz em arma. E o recipiente que serve de vaso para uma flor se torna uma garrafa de bebida. Em contra ponto à representação ilustrativa de uma escola, esta desconstrução e ressignificação do cenário é feita de maneira a enriquecer a encenação e não polui a cena, nem mesmo prejudica o desenvolvimento do espetáculo.

Ao início da peça/aula dona Margarida entra em cena e interpela aos alunos/espectadores: “[...] Tem alguém aí chamado Messias? E Jesus? Tem alguém aí chamado Jesus? E Espírito Santo? Tem alguém aí chamado Espírito Santo? [...]” E já que estes não estão presentes ela pode dar a aula à sua maneira, mas claro, fazendo com que aquele momento fosse de aprendizado “proveitoso” e “prazeroso”.

Uma outra preocupação de dona Margarida em sala de aula é com o Diretor, que pelas ações da professora nos desvela ser, por parte dela, um inimigo, um entrave. Mas, apesar disso, o Diretor e a sala do Diretor são sempre recorridos quando dona Margarida se vê pequena demais para assegurar sua autoridade, utilizando este símbolo, então, como símbolo máximo da pena infligida aos alunos que a desrespeitarem. E o pior é que poucos voltaram de lá e se voltaram tiveram sérios problemas, segundo ela.

Nas primeiras cenas já podemos ver os questionamentos a respeito da formação do nosso povo. Ao dizer quais são suas intenções no decorrer de suas aulas, dona Margarida, de forma muito polida discorre a respeito da formação do cidadão nas questões humana e social. E na verborragia que se segue, abre duas abas ao lado do quadro negro onde podemos ler: “Coca-Cola” e “Barbie” como se estes fossem grandes exemplos e não apenas grandes vendedores de valores supérfluos.

Ainda neste discurso de formação atribuída à escola dona Margarida deixa bem claro que a função de qualquer educandário e dela, por conseguinte, como professora, é mostrar aos seus alunos a importância de SER. E enquanto desanda a falar esta palavrinha SER, escreve no quadro negro uma outra, muito mais empregada nos dias atuais: TER. Esta ação causa um certo riso na plateia, mas, muito maior, é a elucidação em cena de um dos grandes problemas do século: o consumo desenfreado e, na maioria das vezes, motivado pela mídia que transforma o cidadão comum em mero comprador de bens e vulgas qualidades de um ser humano introduzido num século de modernidades.

E neste viés de construção de um comprador e espectador de acontecimentos que se tornam alheios a este homem. Aquele que deveria se tornar um cidadão passa a admitir e concordar com erros e desmandos de várias outras vertentes da sociedade que passam a implicar em sua vida de forma negativa, na maioria das vezes, sem que ele os perceba. Caracterizados nas ações tiranas de dona Margarida, uma obcecada pelo poder.

Este cidadão depravado moral e socialmente, questionado na peça, não é mais capaz de nada. Nem de cantar um hino besta que figura entre os mais belos no hinário da escola. Neste ponto, temos outra crítica presente na peça e bastante relevante, em que diz respeito a boa parte dos cidadãos brasileiros não saber ao menos cantar o hino nacional. Sem falar, claro, naqueles que não sabem escrever seu próprio nome.

Em várias cenas temos representado no caderno de dona Margarida a Constituição do Brasil. Na maioria das cenas a sua utilização entra em conflito com o que está sendo dito pela professora, se apresentando então como uma crítica às leis do Brasil que, muitas vezes, não regem nada ou regem para poucos, indo na contra-mão do que está nas várias laudas da nossa constituição.

A sonoplastia de Marina Viana na maioria das vezes vem na complementação do humor presente no texto. O que não diminui a importância deste recurso. A presença dos diversos efeitos sonoros da peça afunila e direciona o raciocínio dos espectadores, seja para o acesso dos espectadores mais leigos ao humor subliminar recorrente no texto de Athayde ou até mesmo como um vetor que impeça que estes divaguem e percam qual é o principal questionamento da peça.

A iluminação, apesar de variar pouco, já é suficiente e tem grande importância na construção do espetáculo, principalmente da personagem dona Margarida. E nesse último aspecto devemos nos ater mais. Os diversos estados de dona Margarida se tornam mais compreensíveis ao público graças à iluminação, que dá o toque necessário à complementação das ações da atriz que interpreta a personagem-título.

O figurino é um dos pontos fortes e figura em pé de igualdade com a importância do cenário na representação. As roupas de dona Margarida são as de uma professora clássica que reside na memória de cada um de nós. Um blazer e saia escuros. Nos cabelos, um coque e uns óculos ao meio do nariz para que dona Margarida possa ler e olhar por cima destes para os alunos/espectadores. E apesar de clássico, o figurino não se torna pobre na construção de dona Margarida. Isso se confirma nas diversas quebras das ações da personagem que reverberam no seu figurino. Por exemplo, na cena em que dona Margarida se mostra de forma mais sexualizada, quase promíscua; e no final do espetáculo, quando dona Margarida está totalmente descontrolada.

Quando à atuação de Michelle Ferreira como a personagem título, dona Margarida, podemos destacar vários pontos positivos. Percebemos de forma bastante clara o duelo entre o interior de dona Margarida e os conflitos com o público de alunos.

Michelle transita muito bem entre os diversos estados de dona Margarida e principalmente evidencia que o desequilíbrio da personagem é sintoma de um organismo social em crise e não de uma professora defasada e atormentada pelos seus sentimentos.

A atriz se porta muito bem no jogo com o público enquanto seus alunos, desde a imprevisibilidade da reação do público às ações de dona Margarida até a maneira como este vai se portar durante o espetáculo desde a entrada no teatro. As pessoas que se levantam, conversam e se mexem toda hora nas cadeiras. Ora, são os alunos dela e estão atrapalhando a sua aula de Ciências e muito mais que isso, a sua importância na formação daqueles que estão ali. De maneira bem orquestrada ela encaixa tais ações com o público, que não estavam nas rubricas, com o texto previamente ensaiado.

Outra ação interessante da atriz Michelle Ferreira enquanto dona Margarida é colocar no texto, sem descontextualizá-lo de sua intenção primeira, durante o espetáculo, referências ao local em que ela está se apresentando o que contribui no efeito cômico da peça sem se tornar cansativo.

E na cena final em que dona Margarida é “vencida” e se apresenta sem poder nenhum logo depois de se mostrar uma mulher completamente desequilibrada, a sua quebra e a transição entre as duas situações de poder e submissão são muito bem evidenciadas no corpo da atriz e nas ações, nem sempre com a utilização da voz articulada.

Mas nem tudo são flores. Em contraponto a esta última cena da peça, a atriz peca em uma outra. É a hora do intervalo, a hora em que dona Margarida sai de cena e o que fica é a própria Michelle. Ela não consegue transmitir ao público com suas ações que dona Margarida não está mais lá e que ela, como atriz ou mesmo como aluno/público, está distribuindo as pipocas no “recreio”. Apesar de ter executado bem outras ações muitos mais complexas para o entendimento do público, nesta foi preciso que ela dissesse que dona Margarida foi para a sala dos professores e que os alunos poderiam conversar e fazer o que quisessem naqueles minutos de intervalo.

Em suma, apesar deste pequeno deslize de atuação, o espetáculo como um todo não exagera em suas ações nem dá margem para que nada se tornasse redutível. Bem dirigido por Camilo Lélis e muito bem encenado por Michelle Ferreira, resguardando as devidas proporções, este espetáculo pouco perde para a primeira montagem que ocorreu há mais ou menos 25 anos atrás tendo como a intérprete da personagem-título Marília Pêra. Com a sua originalidade sem mutilar e descaracterizar o texto, e uma grande harmonia entre todos os aspectos que compõem qualquer espetáculo, “Apareceu a Margarida” do grupo Flores de Jorge é uma excelente pedida.



Créditos das fotos: Daniel Proztner

Referência
PAVIS, Patrice. A análise dos Espetáculos. São Paulo: Perspectiva, 2003.

Sobre as apresentações do Esquyna- Espaço Coletivo Teatral

DONA Margarida ficou muito satisfeita com as aulas de 5a feira (07.07- 50 alunos da Escola Estadual Sagrada Família) e sábado e domingo (09 e 10.07- público em geral).
Embora muitos alunos que estavam comprometidos a comparecerem às aulas tenham faltado...
Este butecos de Belo Horizonte ainda sufocarão a nossa educação e a nossa cultura!

8 de julho de 2011

Fotos de João Monlevade

Vejam DONA Margarida e seus alunos na apresentação de João Monlevade em 10 de junho!
CRÉDITOS DAS FOTOS: DANIEL PROTZNER

IMPORTANTE!!!
Alerto para as aulas de amanhã, sábado, dia 09, às 21h e domingo, dia 10, às 20h no Esquyna (Rua Célia de Souza, 571, Bairro Sagrada Família)










Experimentem faltarem para ver o que acontecerá!

30 de junho de 2011

Não percam! Curtíssima temporada da peça Apareceu a Margarida

Adoráveis alunos!


DONA Margarida está felicíssima, uma vez que na próxima semana retornará com as aulas.

Ela aguarda todos vocês, limpos, asseados, quietos e obedientes.

Nos vemos então.

Atenciosamente,

DONA Margarida

09 de julho- sábado às 21h e 10 de julho – domingo às 20h


Temporada no Esquyna- Espaço Coletivo Teatral

Rua Célia de Souza, 571, Bairro Sagrada Família

Ingressos a R$10,00 inteira e R$5,00 meia (para estudantes

portando comprovante de matrícula, maioridade e para professores

que comprovem o exercício da docência).

Apoio Cultural: Arnaldo Godoy – Esquyna: Espaço Coletivo e Girino - Teatro de Formas Animadas


                                                             Créditos da foto: Leo Koroth

24 de junho de 2011

Próximas aulas

Caríssimos, lembrem-se que temos novos encontros marcados nos dias 09 de julho, sábado às 21h e 10 de julho às 20h no Esquyna- Espaço Coletivo Teatral.
Rua Célia de Souza, 571 Bairro Sagrada Família
Mais informações: floresdejorge@gmail.com

Ça va san dire!

DONA Margarida

18 de junho de 2011

Chamada

Tem alguém aí chamado Messias?
Tem alguém aí chamado Jesus?
Tem alguém aí chamado Espírito Santo?
Não, não mesmo?
Ainda bem....

                                                       Créditos da foto: Leo Koroth



Apareceu a Margarida é o espetáculo mais recente da Flores de Jorge Cia Cênica.
A montagem é fruto do desejo de treze anos da atriz e gestora cultural Michelle Ferreira (cumprindo a promessa de que quando eu fizesse 30 anos montaria esta peça)  com a colaboração valiosíssima de Camilo Lélis, TiagoAlmeida, Iasmim Marques, Wellington Santos, Taimara Liz, Flávio Cravo, Marina Arthuzi e Marina Viana).

“Apareceu a Margarida” é a peça mais conhecida do escritor e diretor carioca Roberto Athayde, que a escreveu aos 22 anos de idade, em plena época da ditadura, na década de 70. Desde então, várias montagens, em diferentes épocas, com distintos atores, já foram encenadas no Brasil e em outros países. O monólogo traz a imagem da tirânica professora Margarida, que se utiliza de um amplo leque de recursos, desde a sedução e a chantagem, passando pela demagogia, até a repressão aberta, para maltratar a sua turma de alunos e envolvê-los no seu universo de desvario.



A dramaturgia fornece uma metáfora de impacto para representar criticamente a insidiosa violência da ditadura, então instalada no país em 1974, ano em que foi escrito. Porém, mais do que isso, o despotismo da personagem vem sendo tratado, desde então, como figura de linguagem para falar do discurso de poder, de todo regime de dominação tendo a sala de aula como microcosmo dessa sociedade disciplinar; o banco escolar como primeiro estágio para o adestramento.

13 de junho de 2011

Acompanhem a agenda do espetáculo Apareceu a Margarida




                                                         Créditos das fotos: Leo Koroth
Próximas apresentações
09 e 10 de julho - sábado às 21h e domingo às 20h
Esquyna - Espaço Coletivo Teatral
Rua Célia de Souza, 571 Bairro Sagrada Família Belo Horizonte
Ingressos a R$10,00 inteira e R$5,00 meia (maioridade, estudantes com comprovante de matrícula e professores que comprovem o exercício da docência).
Mais informações: floresdejorge@gmail.com

25 de julho - segunda-feira 20h
Apresentação no Teatro Municipal de São João Del Rey dentro da programação do Festival de Inverno


Veja por onde o espetáculo já passou:

10 de junho - João Monlevade
Dentro da programação do festival de Artes Cênicas

11 de maio - UFMG Auditório Belas Artes
Dentro da programação do projeto Quarta Doze e Trinta

09 de março - Itaguara - MG
Dentro da programação do Primeiro Congresso Municipal de Educação de Itaguara

20 de novembro a 12 de dezembro
Temporada no Teatro da Assembleia
Belo Horizonte - MG

15 e 17 de outubro
Temporada no Teatro da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa
Belo Horizonte - MG

2 de junho de 2011

SOBRE A APRESENTAÇÃO DE APARECEU A MARGARIDA EM JOÃO MONLEVADE!

João Monlevade, 10 de junho de 2011
No frio de sexta-feira à noite, a população de João Monlevade compareceu à apresentação do espetáculo Apareceu a Margarida, no Centro Educacional.
Teatro lotado (cerca de 300 pessoas, dentre eles, pré-adolescentes, adolescentes, jovens, adultos, terceira idade) tornaram-se alunos da classe de DONA Margarida.
Plateia receptiva, atenta e que reagiu à algumas provocações margaridianas.
Muito interessante porque algumas reações que não aconteceram nas apresentações anteriores.
Público que aplaudiu a peça durante a encenação e também após o espetáculo.
Alunos que foram sensibilizados pela proposta da montagem.
Esta receptividade veio nos mostrar que estamos no caminho certo.
Salve Jorge!

DONA Margarida.                                                                 Créditos da foto: Leo Koroth


Mais informações: http://www.festivaldeartescenicas.com.br/

26 de maio de 2011

Você precisa conhecer esta professora

Apareceu  a Margarida, novo trabalho da Flores de Jorge Cia Cênica



Créditos das fotos: Leo Koroth

15 de maio de 2011

Dona Margarida no Programa Agenda da Rede Minas

Dona Margarida é paciente e tem tentado atender à todas as demandas da imprensa.
Veja o vídeo de Margarida no Programa Agenda:

DONA Margarida no Youtube!

Meus caros, DONA Margarida está no Youtube!
Acessem e vejam a matéria produzida pelo programa Imagem da Palavra, da Rede Minas, em setembro de 2010.
Um abraço,
Michelle Ferreira

http://www.youtube.com/watch?v=d1HEOhzZuIc

14 de maio de 2011

Notícias Margaridianas

Por aqui, estamos finalmente engrenando com nossa Margarida.




Por ora, estão agendadas as seguintes apresentações:

10.06. 20h Centro Educacional- Festival de Artes Cênicas de João Monlevade - evento promovido pela No Ato Cultural
25.07. 20h. Teatro Municipal-  Festival de Inverno de São João Del Rey

09 e 10 de julho - 20h Curtíssima temporada no Esquyna- Espaço Coletivo Teatral (Rua Célia de Souza, 571 Bairro Sagrada Família)

Segundo semestre- Realização do projeto aprovado na lei municipal - temporada para alunos e professores do EJA e circulação pelos centros culturais de Belo Horizonte

Estão disponíveis no Youtube as matérias produzidas pelos programas da Rede Minas Imagem da Palavra  e Agenda.

Quando puder acessem e passem aos amigos:

http://www.youtube.com/watch?v=d1HE
http://www.youtube.com/watch?v=xnDFuSxF_Jg&feature=related

Salve Jorge!

12 de maio de 2011

Sobre a apresentação de ontem no projeto Quarta 12:30 - UFMG

Queridos amigos que compartilham dos registros deste blog:
Ontem, fizemos uma ótima apresentação no auditório da Escola de Belas Artes da UFMG.
DONA Margarida na academia, vejam só.
Cerca de 60 pessoas compareceram à apresentação.
Público que respondeu positivamente ao espetáculo e que nos auxilia no amadurecimento das questões pertinentes a Apareceu a Margarida.
Nossos agradecimentos à equipe (Camilo Lélis, Wellington Santos, Flávio Cravo, Taimara Liz, Iasmim Marques e Tiago Almeida) e também ao DAC e CAC UFMG.
Uma pena, uma lástima mesmo a ausência dos alunos e principalmente dos professores do curso de Teatro, assim como do curso de Belas Artes. Eles teriam a possibilidade de ver o crescimento de uma ex-aluna que participou ativamente do curso.
Nos encontramos na próxima aula!
Salve Jorge!
Michelle Ferreira

2 de maio de 2011

Apareceu a Margarida no projeto 4a 12:30 da UFMG

Meus caros,
Se vocês achavam que DONA Margarida daria moleza para vocês, estão muito enganados.
As aulas continuam, ouviram bem?
Para validar esta informação, eu marquei uma aulinha para os meus aluninhos queridos na Universidade Federal de Minas Gerais, vejam que preciosidade!
Não se esqueçam de que DONA Margarida é Doutora "Honoris Causa".
Ça va san dire e até breve!

Atenciosamente,

DONA MARGARIDA




Apresentação do espetáculo "Apareceu a Margarida" no projeto 4a 12:30
Auditório da Escola de Belas Artes da UFMG
Av. Antônio Carlos - Campus Pampulha
4a feira, dia 11.05- 12:30
Entrada Franca!

11 de março de 2011

1o Congresso Municipal de Educação de Itaguara - apresentação do espetáculo Apareceu a Margarida

Queridos, DONA Margarida foi parar em Itaguara nesta quinta feira de cinzas para abrir a programação do 1o Congresso Mineiro de Educação de Itaguara, a convite da querida Secretária de Educação Cássia.
Apresentação às 08:30 da manhã para cerca de 350 pessoas!
Ai gente, fala se eu sou ou não guerreira demais?

Tudo lindo, uma emoção apresentar para os professores, DONA Margarida está no caminho certo!

Depois conto tudo em detalhes para vocês, tintim por tintim!

Ça va san dire!